Cultura: Apreensão de táxis-bicicleta divide polícia e autarquia em Quelimane

Quelimane – A polícia de Quelimane, centro de Moçambique, lançou uma campanha de recolha de táxis-bicicleta, único transporte público urbano na cidade, acção descrita como "golpe político" pelo Movimento Democrático de Moçambique (MDM, terceira força política no país), que gere o município.

A campanha policial, sem pré-aviso, foi lançada a 30 de Dezembro, no mesmo dia em que o presidente do município, Manuel de Araújo, acabava de fazer uma "passeata" com os táxis-bicicleta para celebrar o primeiro aniversário da sua governação e reduzir a sinistralidade com ciclistas que "ignoram as regras" de trânsito.

"Estamos a desencadear a operação para disciplinar e não para acabar com a actividade dos táxis-bicicleta, pela sua necessidade. A partir das 18 horas recolhemos os táxis com deficiência nos sistemas de iluminação e freios e sensibilizamos os donos a sanarem o problema no dia seguinte", disse à agência Lusa Ernesto Serrote, porta-voz da polícia.

As estatísticas policiais indicam que, em 2011, foram registados 48 acidentes graves envolvendo táxis-biclicleta. Em 2012 o número cresceu para 56, o que, para a polícia, mostra a tendência cada vez maior dos operadores de táxis-bicicletas, sem instrução básica, em "obstruírem o trânsito" na cidade.

Entre 80 a 100 táxis-bicicletas são apreendidos diariamente na operação que envolve a polícia de trânsito e de protecção civil, indicou a fonte.

Em declarações à Lusa, Manuel de Araújo disse que inicialmente a posição da polícia devia ser "pedagógica e não punitiva", tendo em conta a utilidade dos táxis-bicicleta no quotidiano dos citadinos e a dependência do rendimento dos operadores.

"Há 20 anos que não se realizam cursos de condução para ciclistas em Quelimane, por isso consideramos que a postura das autoridades não deve ser punitiva, mas sim pedagógica", precisou Manuel de Araújo, admitindo que "a passeata irritou alguma força política que ficou amedrontada com a adesão dos operadores".

Para o autarca de Quelimane, a iniciativa policial não se justifica, pelos avanços alcançados na colocação de  sinais luminosos na urbe, o que tem disciplinado grandemente o cumprimento das regras de trânsito pelos utentes das vias, havendo, no seu entender, motivação política.

"Hoje entrou para o curso de condução o segundo grupo de ciclistas que operam táxis. Temos a limitação de 25 condutores por curso devido às condições da sala, mas estamos a negociar com outras escolas de condução para até Junho termos todos condutores habilitados", disse Manuel de Araújo.

 

FONTE: portalangop

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s